Cerest começa a dar orientação sobre saúde auditiva nas oficinas

Mariana Freire, em entrevista com Jair Boldrim

Mariana Freire, em entrevista com Jair Boldrim

No ano passado, as oficinas de manutenção de máquinas e equipamentos do município registraram mais de 280 ocorrências de acidentes do trabalho. E, para combater essa situação, o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) reagiu rápido e fez constar em seu planejamento estratégico deste ano as ações de orientações nesses ambientes de trabalho e nelas incluiu, de forma especial, o projeto de saúde auditiva.

A primeira oficina visitada foi a da concessionária Volkswagen, do grupo Felivel, localizada na avenida Prefeito Luis Latorre, 5.500, que recebeu uma equipe de profissionais do órgão, nesta sexta-feira (20). “O trabalho é abrangente e tem ações para a eliminação de riscos à saúde, que podem provocar lesões agudas (ferimentos cortantes ou contusos, entorses, fraturas etc) ou lesões crônicas, em especial a perda auditiva induzida por ruídos ou por exposição a determinados produtos químicos”, explicou a fonoaudióloga do Cerest, Mariana Freire Oliveira Martin da Silva, que coordena as ações.

Mariana também explicou a estratégia do trabalho da equipe. “Enquanto um profissional vistoria as instalações da oficina, outros se dividem nas tarefas de análise da documentação em saúde do trabalhador (PPRA, PCMSO, atestados médicos, CIPA e outros) , conferência dos níveis de ruído de alguns pontos requeridos e levantamento dos produtos químicos utilizados. Em seguida, algumas orientações verbais já são passadas, de imediato, aos proprietários das oficinas e outras se seguem por notificações, que não geram nenhum tipo de penalidade”, continuou a fonoaudióloga.

Avaliação do ambiente – O engenheiro de segurança do trabalho, Jair Felício, que também integra a equipe, enfatiza o motivo para a realização das medições dos níveis de ruído nas oficinas. “As medições que fazemos nesses ambientes não têm a pretensão de contestar os laudos técnicos já existentes e de propriedade das oficinas. Elas simplesmente nos permitem o
reconhecimento do ambiente e a identificação de alterações ou distorções, que, se existentes,
serão informadas aos respectivos profissionais tecnicamente habilitados e responsáveis”, disse Felício.

As informações dos trabalhadores, durante a visita, também são de grande importância para a equipe.

Mariana Freire ainda explica que, “dependendo dessas informações, o trabalhador é notificado a comparecer ao Cerest, para se submeter ao exame audiométrico, também para fins comparativos com os já existentes em seu prontuário médico na oficina ou na clínica médica
responsável”.

Documentação – Para Fernanda de Oliveira Cunha, autoridade sanitária e assessora municipal do Cerest, a análise da documentação é fundamental para o controle médico da saúde dos trabalhadores e, por isso, precisa estar em ordem.

“O conjunto de registros constantes de um Atestado de Saúde Ocupacional, por exemplo, serve para mostrar se a saúde do trabalhador está ou não sendo controlada naquele ambiente de trabalho. Por isso, todo rigor na análise da documentação é necessário. Não podemos admitir que falte um ou outro exame médico complementar ao trabalhador exposto a riscos de doenças ocupacionais”, disse a assessora.

Assistência médica – De acordo com o médico do trabalho José Carlos Fonseca, as visitas às oficinas também podem provocar agendamento para consultas médicas. “Percebida a necessidade de uma avaliação clínica, durante a visita, ou dependendo dos resultados dos exames audiométricos de um trabalhador, o primeiro passo é o agendamento de uma consulta médica, no próprio Cerest. Essa consulta pode preceder o encaminhamento a outros especialistas, como otorrinolaringologistas, dermatologistas, dentre outros”, explicou o
médico.

As visitas às oficinas de manutenção de máquinas e equipamentos seguem, nesse formato, até
o próximo mês de novembro, quando haverá a comparação dos números de agravos à saúde
dos trabalhadores dessa categoria, entre 2014 e este ano.

 Divulgação Jair Felício confere o nível de ruído recebido por Marcos Correa


Divulgação
Jair Felício confere o nível de ruído recebido por Marcos Correa

Publicada em 23/03/2015

Localização

R. Anchieta, nº 88
Centro - Jundiaí - SP
CEP 13.201-804

Contato

Telefones: (11) 4521-8666 / (11) 4521-1194
Horário: 8h às 17h de 2ª a 6ª feira
E-mail: cerestjundiai@jundiai.sp.gov.br

Prefeitura de Jundiaí
CEREST | Desenvolvido por CIJUN